segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O Palhaço Alfa

Olá a todos. A Sala Mágica participou num concurso proposto pela Porto Editora que tinha como objectivo "vestir" o Alfa para o desfile de Carnaval. Nós decidimos mascará-lo de Palhaço.
Aqui fica o resultado final.
Para votar no nosso palhaço, basta ir à página do facebook do Alfa. O endereço é: www.facebook.com/gostodoalfa.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Lenda da Serra da Estrela - Reconto

Era uma vez um pastor, um pastor novo que vivia numa aldeia muito distante e só tinha um amigo que era um pequeno cachorro.
Ele numa noite quando pensava estar acordado sonhou com uma estrela que o incentivou a concretizar o seu desejo de chegar à serra que via ao longe.
Passou várias noites a tentar ver a sua estrela e depois de alguns dias nessa expectativa decidiu partir em busca do seu sonho, tornar realidade o seu sonho de infância.
Levou com ele tudo que tinha, que não era quase nada, e na hora da despedida à aldeia o seu cão ladrou. Com essa acção os aldeões aperceberam-se que ele ia partir e avisaram-no da loucura que estava a cometer dizendo-lhe que ia passar frio e fome. Mas ele não lhes deu ouvidos e iniciou a sua longa caminhada.
Passado alguns anos o seu cão não aguentando mais faleceu e foi enterrado à beira de uma estrada e com essa tragédia o pastor teve de continuar a sua jornada só com a estrela e com a sua esperança.
Ilustração: Carolina Cunha
Depois de tanto andar o velho pastor chegou à serra e foi até ao topo. Tinha chegado ao seu destino, sentia-se muito mais realizado depois do seu grande feito.
Esta estrela e este pastor chegaram aos ouvidos do rei do mundo que enviou os seus mensageiros para fazerem a sua proposta de trocar as maiores riquezas pela sua estrela.
Mas depois de pensar bem e de olhar à sua volta ele respondeu com toda a calma que não queria riquezas nenhumas.
Passado algum tempo ele morreu e foi enterrado debaixo de uma fraga (pedra rochosa).
Nessa noite a estrela brilhou com mais intensidade e os aldeões reconheceram-na.
A partir daí esta serra passou a chamar-se serra da Estrela em homenagem ao pastor e à sua estrela.

Henrique

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Dia de S: Valentim

Marco do correio (que construímos) onde os alunos da sala Mágica, colocaram as suas mensagens.

Hoje é o Dia de S. Valentim e na nossa sala de aula, de modo a celebrar-se este dia, trabalhamos  "Os Afectos" nas áreas de Expressão Plástica com a elaboração de cartão e na Língua Portuguesa o texto " Lenda de S. Valentim" . Também construímos um acróstico com a palavra AMOR e  completamos estas frases de uma forma original.

Amor é:
"Amor é o principio de uma vida eterna." - Sofia
"Amor é um sentimento muito forte que temos pelas pessoas que mais gostamos." - Henrique
"Amor é um sentimento, que por vezes nos magoa, mas faz-nos felizes." - Bruna
"Amor é um sentimento que devemos ter sempre no coração." - Pedro
"Amor é a maior riqueza que embeleza a nossa vida."-

Namorar é:
"Namorar é a união entre duas pessoas." - Bruna
" Namora é o inicio de uma relação de felicidade."-Bruno
"Namorar é uma recordação inesquecível." - Beatriz Lemos
"Namorar é quando há um entendimento especial entre duas pessoas." - Beatriz Lopes
"Namorar é criar laços amorosos entre sexos diferentes." - João
"Namorar é uma relação entre duas pessoas apaixonadas."- Carolina Freitas

Um amigo é:
"Um amigo é sentirmo -nos apoiados nos bons e maus momentos." - Filipa
"Um amigo é aquele que nos ajuda e nos dá conselhos quando precisamos."-Pedro
"Um amigo é aquele que está ao nosso lado quando estamos tristes e nos consola."- Renata
"Um amigo é a pessoa em que podemos sempre confiar."- João
"Um amigo ajuda-nos a superar dificuldades." - Margarida
"Um amigo está sempre presentes."- Luís
"Um amigo é aquele que nos contraria quando não concorda connosco." - Henrique

Acróstico
     Alegria e paixão pairam no ar
  Amizade não pode faltar
  Compreensão vai cá estar
 Para um bom dia de S. Valentim festejar.
João Ricardo
Cartões da Amizade

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Histórias de Inverno

O pinheiro do Alto da Serra

Havia um pinheiro que vivia no alto da serra.
Aquele pinheiro sentia-se triste e sozinho porque era o único que lá vivia, estava apenas rodeado de pequenos arbustos que não falavam com ele.
A sua estação preferida era o Inverno porque naquele alto nevava bastante e as crianças iam para perto dele brincar. Faziam bonecos e bolas de neve, escorregavam, haviam risos e brincadeiras. Por isso, nessa altura, sentia-se feliz só de ver e ouvir as crianças a brincar.
Quando chegava a hora das crianças irem embora para suas casas, sentia-se triste. Mas aí, com a chegada da noite, apareciam os seus companheiros (coelhos, raposas, cucos, esquilos e lobos). Estes animais faziam do pinheiro alto de longos troncos, o seu sítio preferido, onde se aqueciam, andavam de ramo em ramo que ate lhe provocavam cócegas. Este pinheiro alto servia, também, de esconderijo e abrigo para muitos destes animais, protegia-os com os seus ramos do frio, da chuva e dos inimigos.
Sentia-se útil por fazer algo de bom pelos seus companheiros e a alegria que sentia no Inverno por ver as crianças brincar ao seu lado.
As recordações ajudavam-no a passar aqueles meses de solidão. 
Carolina Freitas
Uma cadela abandonada
Estávamos no mês de Dezembro.
Num dia de neve, Joana estava aborrecida e sem nada para fazer. Olhou pela janela e admirou aquela deslumbrante paisagem e foi então que decidiu ir lá para fora fazer um enorme boneco de neve.
Joana agasalhou-se muito bem, vestindo um cachecol, umas luvas, um belo casaco de lã e umas botas  lá foi ela!
Quando Joana estava a fazer o seu boneco de neve, ouviu uns gemidos e escutando de onde ouvia esses sons foi dar atrás de um arbusto.
O que viu deixou-a sem palavras. Era uma linda cadela que tinha sido abandonada ainda bebé. Tremia de frio e provavelmente estava com fome. Joana pegou nela com muito cuidado e levou-a para dentro de casa.
-Coitada! -disse Joana. - Vou-te agasalhar e depois vou dar-te comida.
Depois de a ter aquecido e a ter alimentado Joana achou que estava na hora de lhe arranjar um nome. Veio-lhe um nome à cabeça:
 - Vou chamar-te Quica - pensou ela.
Desde então Joana e Quica, são inseparáveis, vão para todo o lado juntas e nunca mais Joana se sentiu só e aborrecida.
Para Joana a Quica, era a cadela mais amorosa do Mundo, e não entende como é que há pessoas que abandonam os seus animais.
 Bruna

Deixamos aqui um pequeno filme com alguns actividades (poemas e ilustrações) realizadas na Sala Mágica, sobre a estação que estamos a viver.
Apreciem.

video